Acoso Moral en Institución Judicial: Cuando el Escenario Produce Violencia Psicológica y Daños en la Salud de los Servidores Públicos Brasileños

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Adriana Machado Pooli
Loren Aita Riss
Patricia Henrich
Janine Kieling Monteiro

Resumen

Resumen


Desde la última década del siglo XX, debido a las repercusiones en la salud del trabajador, las investigaciones acerca del acoso moral se han intensificado. El fenómeno está inserto en diversos escenarios, con implicaciones en las organizaciones y, por consiguiente, en la sociedad. Este estudio objetivó analizar qué factores del contexto de trabajo se relacionan a la presencia de Acoso Moral en Institución Judicial brasileña, así como qué variables pueden estar asociando a los daños en la salud de estos funcionarios públicos. El alcance de la investigación fue transversal y correlacional. Se obtuvieron los datos por medio de un cuestionario biossociodemográfico y laboral, del Cuestionario de Actos Negativos (QAN) y de las escalas Evaluación del Contexto de Trabajo (EAC) y de Daños relacionados al Trabajo (EADRT). Los análisis estadísticos evidenciaron que cuanto mayor sea el tiempo de servicio más susceptible el servidor público queda a prácticas de acoso moral, hubo correlaciones significativas positivas entre las dimensiones contexto de trabajo, organización del trabajo y relaciones socioprofesionales y la presencia de acoso moral, así como entre prácticas de actos negativos en el contexto laboral y daños a la salud. Como causas preponderantes del fenómeno investigado surgieron factores relacionados al escenario donde se desarrolla el trabajo.


 

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Palabras clave
acoso moral; acoso organizativo; sector público.
Sección
Artículos originales

Referencias

Amazarray, M. (2010). Violência psicológica e assédio moral no trabalho enquanto expressões de estratégias de gestão (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Retrieved from http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/26083
Andrade, P. P. (2011). Sentimento de (in)justiça na justiça : fatores (des)estruturantes de QVT sob a ótica dos servidores de um órgão do Poder Judiciário. Dissertação (Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.
Retrieved from https://repositorio.unb.br/handle/10482/10350
Antloga, C.S., Maia, M., Cunha, K.R, & Peixoto, J. (2014). Contexto de trabalho e custo humano no trabalho em um órgão do poder judiciário brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 12(19) ISSN 1678-4561
http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141912.22252013
Arenas, M. (2013). Assédio moral e saúde no trabalho do servidor público judiciário (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Retrieved from http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/78677.
Augusto, M. M., Freitas, L. G., & Mendes, A. M. (2014). Vivências de prazer e sofrimento no trabalho de profissionais de uma fundação pública de pesquisa. Psicologia em Revista, 20(1), 34-55. Doi: 10.5752/P.1678-9523.2014v20n1p34
Barreto, M; Heloani, R. (2015). Violência, saúde e trabalho: a intolerância e o assédio moral nas relações laborais. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, 123, p. 544-561.
Biernacki, P., & Waldorf, D. (1981). Snowball sampling: problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods & Research, Thousand Oaks, CA, v. 10, n. 2.
Borges, E., & Ferreira, T. (2015). Bullying no trabalho: adaptação do Negative Acts Questionnaire-Revised (NAR-R) em enfermeiros. Revista Portuguesa de Enfermagem em Saúde Mental, 13, 25-33. Retrieved from http://www.esenf.pt/fotos/editor2/Noticias/4_bullying_no_trabalho_adaptacao_do_negative_acts_questionnaire-revised.pdf
Bortolato, A. (2009). Assédio moral: um estudo do fenômeno dentro de uma organização judiciária federal (Monografia, Universidade de Brasília). Retrieved from http://bdjur.stj.jus.br/dspace/handle/2011/24803
Bottega, C.G., Perez, K.V., & Merlo, A.R.C. (2015). Violência e Banalização do Sofrimento no Trabalho. In J.K Monteiro, F. O. Vieira, A.M. Mendes (Orgs). Trabalho e prazer: teorias, pesquisas e práticas (pp. 117-133). Curitiba: Juruá

Cahú, G. R. P., Costa, S. F. G, Costa, I. C. P., Batista, P. S. S, & BatistA, J. B.V. (2014). Situações de assédio moral vivenciadas por enfermeiros no ambiente de trabalho. Acta Paulista de Enfermagem, 27(2), pp. 151-156.

Carmo, M. M. (2014). “Tribunal da cidadania?! Pra quem?!”: qualidade de vida no trabalho em um órgão do poder judiciário brasileiro. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações). Universidade de Brasília, Brasília.
Retrieved from https://repositorio.unb.br/handle/10482/17111

Charilaos, K, Gelanakis, M, Bakoula, C, Darvyri, P, Chrousos, P.G, & Darviri, C. (2015). Validation of the Negative Acts Questionnaire (NAQ) in a sample of greek teachers. Psychology, 6, 63-74
Retrieved from http://www.scirp.org/journal/psych http://dx.doi.org/10.4236/psych.2015.61007

Corrêa, A. & Carrieri, A. (2004). O assédio moral degradando as relações de trabalho: um estudo de caso no Poder Judiciário. Revista de Administração Pública, 38(6), 1065-1084.
Costa, L. & Santos, M. (2013). Fatores psicossociais de risco no trabalho: lições aprendidas e novos caminhos. International Journal on working conditions, 5, 39-57. Retrieved from http://ricot.com.pt/artigos/1/IJWC.5_LSCosta.MSantos_39.58.pdf
Costa, O. (2013). Trabalho, prazer e sofrimento no contexto do trabalho do serviço público: a experiência de um órgão do poder legislativo estadual (Monografia, Universidade de Brasília). Retrieved from http://bdm.unb.br/handle/10483/8413
Creswell, J. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed
Daniel, J.B. (2012). “É-feito de coisas burocráticas”: impactos da organização do trabalho na qualidade de vida no trabalho em um órgão público federal (Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília).
Retrieved from http://www.ergopublic.com.br/arquivos/1360933189.78-arquivo.pdf
Dejours, C. (2004). Addendum: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In S. Lancman, & I. L. Sznelwar, (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 49-106). Brasília: Paralelo.
Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (1994/2014). Psicodinâmica do trabalho: Contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo, SP: Atlas.
Einarsen, S. (1999). The nature and causes of bullying at work. International Journal of Manpower, 20(1/2), 16-27.
Einarsen, S. (2005). The nature, cause and consequences of bullying at work: the Norwegian experiences. Perspectives interdisciplinaires sur le travail et la santé, 7-3. Retrived from http://pistes.revues.org/3156
Einarsen, S., & Raknes, B. (1997). Harassment in the workplace and the victimization of men. Violence and Victims, 12(3), 247-263. Retrieved from http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9477540
Einarsen, S., Hoel, H., & Notelaers G. (2009). Measuring exposure to bullying and harassment at work: Validity, factor structure and psychometric properties of the Negative Acts Questionnaire-Revised. Work & Stress, 23(1), 24-44.
Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, G. (2011). Bullying and harassment in the workplace: development in theory, research and practice. USA: Taylor & Francis.
Facas, E. (2014). Protocolo de Avaliação dos Riscos Psicossociais no Trabalho: contribuições da Psicodinâmica do Trabalho (Tese de Doutorado, Universidade de Brasília). Retrieved from http://repositorio.unb.br/handle/10482/15420
Felipe, J. (2014). O assédio moral na Administração Pública brasileira. Retrieved from http//prolancer.com.br/.
Fernandes, L.C. & Ferreira, M.C. (2015). Qualidade de vida no trabalho e risco de adoecimento: estudo no poder judiciário brasileiro. Psicologia USP, 26(2) ISSN 1678-5177
http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420130011

Ferreira, J. (2013). Patologias da solidão. In F. O. Vieira, A.M. Mendes, & A.R.C. Merlo (Orgs). Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho. Curitiba: Juruá.
Fonseca, B. T. V. (2009). Modernização da gestão judiciária (Monografia, Universidade de Brasília). Retrieved from http://hdl.handle.net/10483/1540.
Fontes, K., Santana, R., Pelloso, S., & Carvalho, M. (2013). Fatores associados ao assédio moral no ambiente laboral do enfermeiro. Revista Latino-Americana De Enfermagem, 21(3), 758-764.
Freitas, M., Heloani, R., & Barreto, M. (2008). Assédio moral no trabalho. São Paulo: Cengage Learning.
Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida: Ideias e Letras
Gonçalves, R. (2006). O assédio moral no Ceará: naturalização dos atos injustos no trabalho (Dissertação de Mestrado, Universidade de Fortaleza). Retrived from: http://www.assediomoral.org/IMG/pdf/GONCALVES_R.C._O_assedio_moral_no_Ceara.pdf
Gosdal, T. (2017). O entendimento do assédio moral e organizacional na Justiça do Trabalho. In L. A. P. Soboll (Org.), Intervenções em assédio moral e organizacional. São Paulo: LTr.
Gosdal, T., Soboll, L., Schatzmam, M., & Eberle, A. (2009). Assédio moral organizacional: esclarecimentos conceituais e repercussões. In L. A. P. Soboll & T. C. Gosdal (Orgs.) Assédio moral interpessoal e organizacional: um enfoque interdisciplinar (pp. 33- 41). São Paulo: LTr.
Guimarães, L. & Rimoli, A. (2006). “Mobbing” (assédio psicológico) no trabalho: uma síndrome psicossocial multidimensional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 193-192.
Guimarães, M. (2009). Transformações do trabalho e violência psicológica no serviço público brasileiro. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 34(120), 163-171.
Hair, J., Black, W., Babin, B., Anderson, R., & Tatham, R. (2009). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman
Heloani, J., & Barreto, M. (2013). Assédio moral e sexual. In F. O. Vieira, A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Orgs). Dicionário crítico de gestão e psicodinâmica do trabalho. Curitiba: Juruá
Heloani, J. R., & Barreto, M. (2015). Assédio moral nas relações sociais no âmbito das instituições públicas. In E. F. Silva, F. Zanin, J. A. P Gediel, & L. E. de Mello (Orgs.). Estado, Poder e Assédio: relações de trabalho na Administração Pública (pp. 145-162). Curitiba: Kairós.
Heloani, R. & Barreto, M. (2018). Assédio moral: gestão por humilhação. São Paulo: Juruá
Hirigoyen, M. (2001/2011). Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Jacoby, A., & Monteiro, J. (2014). Mobbing of Working Students. Paideia, 24, 39-47.
Leymann, H. (1996). The content and development of mobbing at work. European Journal of Work and Organizational Psychology, 5(2), 165-184. Retrieved from: http://www.choixdecarriere.com/pdf/6573/2010/Leymann1996.pdf
Lima, S.C.C, Mendes, A.M, & Costa, M.F. (2015). Clínica das Patologias da Sobrecarga no Trabalho. In J.K Monteiro, F. O. Vieira, A.M. Mendes (Orgs). Trabalho e prazer: teorias, pesquisas e práticas (pp. 135-147). Curitiba: Juruá
Maciel, R., & Gonçalves, R. (2008). Pesquisando o assédio moral: a questão do método e a validação do Negative Acts Questionary (NAQ) para o Brasil. In L. A. P. Soboll (Org). Violência psicológica e assédio moral no trabalho: pesquisas brasileiras (pp. 167-185). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Mattos, C.A.C, Vidal, L.J.P, Endriger, D.O, Costa, N.L, & Corradini, A (2015). Contexto de trabalho: uma investigação entre professores e técnicos administrativo de uma instituição federal de ensino superior. Revista de Estudos Sociais, 33(17), 72-91. ISSNe 2358-7024.

Mendes, A. M., & Araújo, L. K. R. (2012). Clínica psicodinâmica do trabalho: o sujeito em ação. Curitiba: Juruá.
Mendes, A., & Ferreira, M. (2007). Inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento –ITRA: instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In A. M. Mendes (Org.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas (pp. 111-124). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Moreno-Jiménez, B., Muñoz, A., Hernández, E., & Benadero, M. (2004). Acoso psicológico en el trabajo: una aproximación organizacional. Revista de Psicología del Trabajo y de las Organizaciones, 20(3), 277-289.
Neall, A. & Tuckey, M. (2014). A methodological review of research on theantecedents and consequences of workplaceharassment. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 87, 225–25.
Nogueira, J., & Pacheco, R. (2009). A gestão do Poder Judiciário nos estudos de administração pública. II Congresso Consad de Gestão Pública. Retrieved from www.tre-rs.jus.br/arquivos/NOGUEIRA_PACHECO_ Gestao.pdf
Pooli, A., & Monteiro, J. (2018). Assédio moral no judiciário: prevalência e repercussões na saúde dos trabalhadores. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 18(2), 346-353.
Razzaghian, M. & Shah, A. (2011) Prevalence, Antecedents, and Effects of Workplace Bullying: A Review. African Journal of Business Management, 5(35), 13419-13427.
Sampieri, R., Collado, C. & Lucio, M. (2013). Metodologia de Pesquisa. São Paulo: Penso
Silva, E.F, Oliveira, K.K.M. & Souza, P.C.Z.(2011). Saúde mental do trabalhador: o assédio moral praticado contra trabalhadores com LER/DORT. Revista brasileira de saúde ocupacional, 36(123) pp.56-70. ISSN 0303-7657.
http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572011000100006.
Silva, L. & Silva, L. (2015). O assédio moral na administração pública: um livro em prol da extinção dessa praga. São Paulo: LTr.
Silva, O. & Raichelis, R. (2015). O assédio moral nas relações de trabalho do(a) assistente social: uma questão emergente. Serviço Social & Sociedade, 123, 582-603.
Soares, L. (2015). Interações socioprofissionais e assédio moral no trabalho: “ou você interage do jeito deles ou vai ser humilhado até não aguentar mais”. São Paulo: Casa do Psicólogo.
Soboll, L. & Gosdal, T. (2009). Assédio moral interpessoal e organizacional: um enfoque multidisciplinar. São Paulo: LTr.
Soboll, L. (2017). Assédio moral e organizacional na perspectiva psicossocial: critérios obrigatórios e complementares. In L. A. P. Soboll (Org.), Intervenções em assédio moral e organizacional. São Paulo: LTr.
Vieira, F. & Heloani, R. (2015). Discurso organizacional: controle, sedução e violência. In J.K. Monteiro, F.O. Vieira, & A.M. Mendes (Orgs) Trabalho e prazer: teoria, pesquisas e práticas. Curitiba: Juruá